PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Parte

Publicado por abizinoto em 07/04/2014

Vai longe pedaço de mim

Parte pro mundo que te deseja inteira.

Arranca daqui parte do céu

que me clareia.

vai iluminar outros mundos de lá.

Deixa o mar que me escorre dos olhos

e parte minha pequenina.

Leva contigo também parte de mim,

A boa, se alguma tiver.

Deixa a saudade crescer

pra te ver de longe

conquistar o mundo

e voltar pra mim pequena princesa.

Que outrora só um parzinho de olhos curiosos,

Outrora só  uma boca lambona,

Outrora bracinhos suplicantes,

Hora pedindo carinho,

Hora chorando num canto,

Hora calada sorrindo,

Outrora querendo colinho,

Outrora só minha sonhando no ninho.

Agora o mundo te pede

A lembrança me deixa.

Agora já um pedaço inteiro de mim,

Sem mim.

Agora a boca despede,

Os bracinhos se afastam,

a lagrima verte,

o sorriso some,

a saudade reparte,

em antes e agora.

Veja o egoísmo é esse de um pai apaixonado,

mas é a vida que urge a realidade,

tú que um dia partiu dos meus sonhos pra mudar a minha

parte de novo, minha flor, meu tesouro, meu jasmim.

Reparte com o mundo a felicidade que você sempre trouxe pra mim.

 

P1030252

Enviado em Poesia | Etiquetado: , , , | 1 Comment »

Ataranto

Publicado por abizinoto em 24/02/2014

Delas, seria um tanto

Um tanto forte, um tanto santo

Da menina,  sorriso e encanto

Um tanto sonho, acalanto

Da moça, a volúpia e espanto

um tanto sonhos, um tanto quanto

Da mulher,  sensatez e o pranto

da tristeza enquanto

um tanto corpo, um tanto manto

um tanto olhos, um tanto santo

um tanto bruxa, um tanto anjo

um tanto longe, um tanto perto,

portanto

um tanto todas,

talvez nem tanto, nem certo.

Delas todas uma

Umas todas dela

um tanto cada

delicada, desvairada.

De mim num canto

ataranto.

Enviado em Poesia | Leave a Comment »

o Nó

Publicado por abizinoto em 22/02/2014

No fim resta a ponta

e nela ninguém

só o resto

o nó

o suspiro

o ultimo respiro

o grito embutido

o amargo

sem dó

o certo encolhido

o vazio

o errado escolhido

o pavio

amor que se perde

amigo se vai

Vai-se a Luz

e a querida chama apaga

fumaça escorre

amarras se soltam

os nós da criação

de dentro do coração

transforma

adoração

em afiado facão

não desata, amputa,

a morte derradeira

é podre

é fatal

quiçá pudesse escolher

um diferente final;

Um tesouro se perde

outro derrete

como nunca tivesse

ter admirado valor

agora

um asno que aparece.

nada importa ou apetece.

perde pra morte

quanto pra vida

É assim que o tempo vai

Some o nó de atadura

Some o sorriso e a candura

que te prende ao coração

Volta o nó da emoção

de não ser mais um irmão. 

Enviado em Elucubrações, Poesia | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

Minh´alma

Publicado por abizinoto em 03/01/2014

Sozinha

Num canto

Minh’alma

Dança

Espera

Procura

Descança

 

Sozinha

Minh’alma

Canta

Quando

Encontra

Outra alma

E se encanta

 

Sozinha

Minh’alma

Levanta

Corre

Brinca e

Esquece

 

Sozinha

Minh’alma

Merece

Que se dance

Que se cante

se levante

Com outr’alma

Semente

e de novo

De noite

Sozinha

Minh’alma

reclama

baixa o olhar e

Descansa

 

Vitória 6-8-2007

Sessão de coisas perdidas da minha vida… e reencontradas.

 

a beleza é uma coisa engraçada… ela chama a atenção sempre que passa… mas a raridade é que é apaixonante.

Enviado em Coisas perdidas, Elucubrações, Poesia | 1 Comment »

Balanço 46

Publicado por abizinoto em 13/12/2013

solsolsolHoje alcancei mais um cume e  vi o ultimo episódio da minha série favorita. Terminei o livro que estava lendo e fechei meus e-mails. Estudei a ultima lição. Dancei uma ultima musica. Fiz a minha ultima “seg” pra alguém que confia em mim sua própria vida. Tomei minha ultima cerveja. Abracei o ultimo amigo. Dei o ultimo beijo nos meus filhos. Sorri o meu ultimo sorriso. E agora, que fiz a minha ultima oração, vou dormir. Preciso sonhar o meu ultimo sonho e descansar do meu dia num ano.

Amanhã eu vou ter outra montanha, começa a próxima temporada e outro livro pra mergulhar, mais dezenas de e-mails pra ler e responder. O universo inteiro pra aprender. Outra musica que eu vou ouvir, E várias delas eu vou dançar. Outras vou descansar. Ser a segurança que esperam de mim e de vez em quando me segurar em alguém. Terá outra cerveja para brindar com meus amigos. E meus filhos ainda vão estar ali pra ama-los e beija-los sem limites, a qualquer distancia. Vou acordar rezando pra um sol sorridente, e esquecer o sonho, e lembrar do mundo e fazer tudo de novo e ao mesmo tempo. Tirar de cada momento, de cada ação, de cada emoção, um dedinho de experiência pra guardar no coração. E reviver de novo no ultimo dia. Não vou só fechar os olhos ao sonho e esperar o amanhecer, mas torcer por acordar um homem melhor num mundo melhor Aí, em algum momento, sentar no cume, olhar o horizonte dos meus desejos que separam o céu e a terra, no céu minha esperança, na terra todos vocês, Divagar um pouco, comer um biscoito e tomar o meu café.

Obrigado a todos passaram na minha vida, os que ainda continuam e os que ainda virão. Todos os meus Filhos, irmãos, amigos, parentes, professores, uns poucos alunos, colegas de trabalho, amores passados e futuros. A minha mãezinha que provavelmente não vai ler isso aqui porque lá na casa dela não “pega” internet. O meu paizão, que vai saber, porque no céu tem um super uaifai gigante. Obrigado por suas presenças na minha vida.

Vocês são muitos, eu também sou um amontoado de pedaços juntados cuidadosamente com o que aprendi de cada um, portanto um abraço virtual de agradecimento do seu…

Alê ou Alex pra uns,
Bizi ou Bizinoto pra outros,
Mano e Bro pros Irmãos, de sangue ou não.
“Véi” pro meu filho Joshua. :/
Papai quando precisam de carinho ou de dindin e
Alexandre Bizinoto Macedo pra minha mãe quando ela tá brava.

Não faz diferença, eu respondo Opa! é nóis!!!

Enviado em Elucubrações | 2 Comments »

Mergulha?

Publicado por abizinoto em 09/12/2013

De repente vc acorda no meio da vida e fica confuso.

Eu estava sonhando? Estava acordado?

A primavera apareceu e floresceu o seu  jardim como num filme?

ou foi só um sopro dessa uma vontade louca de suspirar?

O quanto dá pra se conhecer de um sonho?

Quanto dá pra esperar de um olhar?

Importa?

- Importa!

Mas agora eu vou voltar a dormir

porque se for sonho…

quero sonhar.

Enviado em Poesia | 1 Comment »

Alegoria da volta

Publicado por abizinoto em 06/12/2013

O tempo que para na pressa

arremessa pra dentro do mundo

o que ninguém parou pra pensar.

O sonho que corre na areia

ferve e  serpenteia

a vida pra dentro do mar.

O mundo que roda sozinho

vagando sem ninho

viaja no mesmo lugar.

Enviado em Uncategorized | Leave a Comment »

Feliz Dia.

Publicado por abizinoto em 12/06/2013

“O amor é um não sei quê, que surge de não sei donde e acaba não sei como.”

Madeleine Scudéry

91-88-24-53-16-27-25*-5-18-49-1-8

Como fazer quando a data não é sua, ou suspira o não ser? Podes me perguntar. Quando os dias santos que são guardados você não crê? Quando festividades de outras gentes? Outras raças?

Refletimos? Ignoramos ou fazemos dela um outro significado? Consegue passar um dia que é especial pra maioria, como um dia qualquer. Sem pensar ou se  experimentar a sensação ou a saudade dela? O respeito e a energia que exala de quem passa ou felicidade fatalmente invade, incomoda ou atrai. É inerente ao vivente viver ou trocar de sentimento, bom ou ruim. Mudamos o tom da conversa, mas velamos ou celebramos de um jeito individual junto com todos os nossos.

Insisto em pensar que algo de bom existe ainda a sentir, mesmo quando a dia pede o de vir, que não mais existe ou se foi pra nunca mais. Como o “dia dos pais”, quando o seu herói jaz. Melhor chorar a infelicidade ou a frustração ou mesmo o amor que sentiu e que nunca sairá da sua história. Assim nos formados homens e podemos ser como aquele número que caracteriza nossa menor parte, como elementos ímpares, únicos e necessários uns aos outros. Nossa identidade indivisível que as vezes, tolamente, se esconde e se protege em pensamentos fáceis e conclusões inalcançáveis.

Sentimos algo importante, uma emoção. Não celebrar este dia como tal, não significa não ser possível celebrar o amor… por vezes diferente… tem dias que se comemoram juntos, ou a presença não mais existe.  Sem alternativas, o amor é  só seu e único. Longe ou perto; Nesta vida ou outra; Ou em dimensões opostas, pode ou não ser compartilhado ou retribuído… mas o seu sentimento individual, só sentido pela sua humanidade, com todas nuances do seu ser, com suas falhas e qualidades, sua ignorância e seu aprendizado. Não é interessante saber de alguma coisa na extensão e profundidade que ninguém mais sabe? Um segredo quase impossível de ser revelado na sua totalidade e extensão. Que outros só podem crer… ou não.

.Pode ser feliz assim?

DCIM100GOPRO

Enviado em Elucubrações, Filosofia do cotidiano, Prosa | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

Cangalha

Publicado por abizinoto em 17/02/2013

Nesse torpor de vida não vivida

continua no sonho de não sonhar

entre dois respirares

entre duas montanhas

entre o céu e o mar

entre o peso e a vontade de chegar

entre o límpido e vasto azul eterno

e o lancinante e barulhento carnaval de incertezas

palavras vibram do além

repetidamente em sons silenciosos

o medo impele a aventura

o desejo pesa, seca, tolhe

entre a água e o sal

a noite e o dia

o devir avança além da vista

do suspiro, do pedra e do sonho do artista.

 

 

 

Enviado em Montanha, Poesia | Leave a Comment »

31/01/13

Publicado por abizinoto em 31/01/2013

Para as raízes avermelhadas, belas, nostálgicas e sedutoras

perfeitos e raros arranjos

Vivemos como

Crianças rindo incessantemente sozinhas.

Enviado em Uncategorized | Leave a Comment »

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.